• Bangu
  • Boavista
  • Bonsucesso
  • Botafogo
  • Cabofriense
  • Campos
  • Flamengo
  • Fluminense
  • Macaé
  • Madureira
  • Nova Iguaçu
  • Portuguesa
  • Resende
  • Tigres do Brasil
  • Vasco da Gama
  • Volta Redonda
  • America
  • Americano
  • Artsul
  • Audax Rio
  • Barcelona
  • Barra da Tijuca
  • Barra Mansa
  • Duque de Caxias
  • Friburguense
  • Gonçalense
  • Goytacaz
  • Itaboraí
  • Olaria
  • Queimados
  • Sampaio Corrêa
  • São Cristóvão
  • São Gonçalo EC
  • Serra Macaense
  • Serrano
  • Angra dos Reis
  • Araruama
  • Bela Vista
  • Belford Roxo
  • Ceres
  • Condor
  • Duquecaxiense
  • Futuro Bem Próximo
  • Juventus
  • Mesquita
  • Nova Cidade
  • Rio de Janeiro
  • Rio São Paulo
  • São Gonçalo FC
  • Brasil
  • Campo Grande
  • Itaboraí Profute
  • Miguel Couto
  • Paduano
  • Rubro
  • São José
  • Teresópolis
  • Tomazinho
  • União Central
  • União de Marechal

Em 26/08/2016 às 21 h02

João Luís Abreu celebra Mundial do Futevôlei realizado no Rio de Janeiro

Presidente do evento destaca países participantes, maior na história do esporte


Autor: Redação FutRio / Foto: Divulgação

Começou na manhã desta sexta (26) na Escola de Educação Física do Exército, na Urca, Zona Sul do Rio de Janeiro, o Mundial de Futevôlei, que conta com a participação de 24 países dos cinco continentes do mundo. Presidente do evento, João Luís Abreu, se empolgou com a magnitude da competição e mesmo com a modalidade não estando inclusa nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, ele mostrou confiança que isso possa ocorrer em Olimpíadas futuras.

- Nossa expectativa é excelente, pois esse evento promete ser um marco na história do futevôlei. Nunca aconteceu isso no esporte, com competições masculinas, com 24 países dos cinco continentes, e femininas com oito países. Também estamos com as categorias sub-20 masculina e máster, com 264 atletas participando da competição, que é outro grande marco, nunca havia acontecido isso em um evento de futevôlei. Isso tudo em um momento olímpico, entre as Olimpíadas e as Paralimpíadas, e quem sabe, em um futuro próximo, não consigamos ter esse esporte nos Jogos Olímpicos. Sabemos que em 2020, isso não será mais possível, pois já foram definidas as novas modalidades que vão fazer parte dos Jogos de Tóquio, mas vamos nos preparar para 2024 - disse o organizador.
 
Para João Luís Abreu, a criação de um calendário regular para o futevôlei, é o grande segredo para que o esporte se torne ainda mais popular no mundo e consiga a tão sonhada entrada nos Jogos Olímpicos.
 
- Termos um calendário é fundamental para entrarmos nos Jogos Olímpicos, precisamos de uma competição regular. Sabemos que alguns esportes, que ainda são considerados amadores, têm muitas dificuldades de recursos. Nosso propósito na realização desse evento é justamente criar um novo marco no esporte, e tomara que consigamos reunir sempre esses países, para fazermos um calendário regular e que essa competição internacional sempre aconteça - explicou.
 
Mudança de local perto do início do evento

Inicialmente, o Mundial de Futevôlei iria acontecer na arena onde aconteceu o Vôlei de Praia nas Olimpíadas, na praia de Copacabana. Porém, por causa do aumento no nível do mar, a competição foi levada para a Escola de Educação Física do Exército, na Urca. João Luís Abreu destacou a agilidade de a organização encontrar um novo lugar para o evento, já que os organizadores descobriram nesta semana que a competição não poderia ser em Copacabana.
 
- A competição foi inicialmente planejada para acontecer na Arena do Vôlei. Já estávamos em um processo de organização há mais de três meses, com convite aos países, com realizações de competições nacionais em todos os países presentes para se fazer uma seletiva... Quando descobrimos que a arena estava indisponível pela questão do clima, quando o Governo do Estado do Rio de Janeiro e o Comitê Organizador das Olimpíadas não autorizaram a organização do campeonato mundial lá, tivemos que resolver esta situação, pois não poderíamos deixar de fazer o evento, todos os países já estavam na cidade. Conseguimos, de uma forma rápida, entrar em um acordo com o pessoal da Escola de Educação Física do Exército para a realização do evento - ressaltou.
 
Por fim, João Luís Abreu não escondeu que seria melhor que o evento acontecesse em Copacabana, pela capacidade da arena, mas rasgou elogios a estrutura da Escola de Educação Física do Exército, mesmo sendo um local mais acanhado que a Arena do Vôlei de Praia.
 
- É claro que o evento acontecendo em uma arena olímpica seria maravilhoso. A Arena de Copacabana tem capacidade para 12 mil lugares, nossa expectativa, com uma estratégia de divulgação, era de ter de três a cinco mil pessoas em cada dia. Eram seis dias de evento e tivemos que reduzir pra três. Porém, a Escola de Educação Física do Exército tem uma estrutura excelente, os atletas aprovaram o local e não podemos ficar lamentando. Tínhamos que resolver os problemas e resolvemos. Montamos uma estrutura para mil pessoas e acredito que no fim de semana o local estará lotado - finalizou.
 
O Mundial de Futevôlei segue neste sábado (27), na Escola de Educação Física do Exército, na Urca. 

Tags: Futevôlei; Mundial de Futevôlei;

Outras Notícias

Encontre-nos no Facebook






As informações deste site são constantemente atualizadas pelo FutRio. Ressaltamos que o FutRio reserva-se ao direito de alterar qualquer informação do site, valores e demais informações, sem aviso prévio.

© Copyright FutRio - Todos os direitos reservados.

desenvolvido por