• Bangu
  • Boavista
  • Bonsucesso
  • Botafogo
  • Cabofriense
  • Flamengo
  • Fluminense
  • Macaé
  • Madureira
  • Nova Iguaçu
  • Portuguesa
  • Resende
  • Vasco da Gama
  • Volta Redonda
  • America
  • Americano
  • Artsul
  • Audax Rio
  • Barcelona
  • Barra da Tijuca
  • Barra Mansa
  • Campos
  • Duque de Caxias
  • Friburguense
  • Gonçalense
  • Goytacaz
  • Itaboraí
  • Olaria
  • Queimados
  • Sampaio Corrêa
  • São Cristóvão
  • São Gonçalo EC
  • Serra Macaense
  • Serrano
  • Tigres do Brasil
  • Angra dos Reis
  • Araruama
  • Bela Vista
  • Ceres
  • Duquecaxiense
  • Futuro Bem Próximo
  • Juventus
  • Mesquita
  • Nova Cidade
  • Rio de Janeiro
  • Rio São Paulo
  • Santa Cruz
  • São Gonçalo FC
  • Campo Grande
  • Condor
  • Itaboraí Profute
  • Itaperuna
  • Miguel Couto
  • Paduano
  • Rubro
  • São José
  • Teresópolis
  • Tomazinho
  • União Central
  • União de Marechal
  • Na folia

Em 28/01/2017 às 20 h23

Criatura contra criador: Allax estreia pelo Bangu contra a Portuguesa

Treinador iniciou carreira de jogador profissional no time da Ilha do Governador


Autor: Gabriel Farias / Fotos: Gabriel Andrezo (FutRio) e Divulgação (BAC)

Aos 39 anos, Eduardo Allax ainda pode ser considerado um jovem treinador, apesar de já acumular passagens por Duque de Caxias, Resende, Gama e Nova Iguaçu. E ele viverá uma nova experiência neste domingo (29), quando estreia à frente do Bangu, no Campeonato Carioca, diante da Portuguesa, no Estádio de Moça Bonita. O adversário vai ser justamente o clube em que começou sua carreira como jogador.

Foram oito anos atuando como goleiro nas categorias de base e time profissional da Lusa. Dali, seguiu adiante sua trejatória no mundo da bola, defendendo clubes tradicionais como Atlético (MG), Grêmio (RS) e Figueirense (SC), dentre outros, como o próprio Bangu. Allax inclusive mora no bairro da Portuguesa, um dos 14 que compõem a Ilha do Governador.

- Eu sou cria aqui da Ilha, moro na Ilha, no bairro da Portuguesa. Eu projetei, se tivesse como escolher, encerrar a carreira (de jogador) onde comecei, mas a vida me levou de outra maneira. Fui obrigado a parar e parei no Figueirense, sem conseguir jogar novamente na Portuguesa - disse, admitindo um sentimento especial pela Lusa, mas também ressaltando o papel essencial que o Bangu teve em sua vida profissional.

- Vai ser uma emoção diferente, legal, mas também tenho carinho e um afeto grande pelo Bangu, clube que me projetou profissionalmente. Não levo muito emoção para dentro de campo, não. Ali é profissão e razão, tem que ganhar e segurar meu emprego.

Enquanto o Bangu vai fazer sua estreia no Carioca, a Portuguesa vem embalada pela disputa da seletiva, fase preliminar do Estadual por onde teve que passar. Eduardo Allax admite que torceu para a Lusa chegar à etapa principal da competição.

- Por morar aqui (na Ilha), nos jogos da segunda divisão, da primeira, na Copa Rio, eu estava lá no estádio torcendo. Torci (na seletiva), não vou negar. Na verdade torci para todos os meus amigos, na Cabofriense, no Nova Iguaçu, não só especificamente pela Portuguesa. A gente faz amigos e não torce só por um.

image

Ritmo de jogo: elemento a favor da Lusa

O fato da Portuguesa vir para a Taça Guanabara após a disputa da seletiva é visto por Eduardo Allax com um ponto a favor do adversário. O maior descanso, que poderia ser algo que favorecesse o Bangu, não chega a ser tão decisivo na análise do treinador alvirrubro.

- O ritmo de competição ajuda eles, com certeza. Mas o desgaste que a Portuguesa trouxe, fazendo cinco finais praticamente, isso pode nos ajudar. Eles têm tempo para recuperar e os profissionais que lá estão são capacitados para isso. Vejo mais benefícios para eles nessa situação, nesse ritmo de jogo, de competição, pois estão na nossa frente cinco jogos.

Favoritismo a ser confirmado

Eduardo Allax descarta qualquer tipo de favoritismo prévio atribuído ao Bangu entre os clubes de menor investimento, por ter contratado nomes como Loco Abreu, Almir e Peralta. Essa badalação não é algo que deve ser levado em conta, segundo o técnico, que espera os resultados acontecerem dentro de campo para saber se as contratações realmente deram certo.

- As contratações foram boas, mas favoritismo só se confirma dentro de campo, não tem jeito. Você tem que jogar bem, tem que confirmar toda expectativa que estão criando em cima da gente e com palavras não vamos criar nada, só criar uma ilusão. Tem que ganhar e lá no final acreditar que o trabalho foi bem feito, que as contratações foram bem feitas.

image

Volta a Lusa: projeto futuro

Assumir o comando técnico é um desejo de Eduardo Allax, que deixa essa possibilidade no futuro. Uma coisa, no entanto, é certa: por morar tão perto, não haverá desculpa se ele chegar atrasado nos dias de trabalho.

- Tudo que acontece no clube eu acompanho. Tenho centenas de amigos que frequentam o clube, joguei oito anos entre base e profissional. Se houver um convite um dia, vai ser um prazer enorme trabalhar na Portuguesa. Vou andando para o trabalho e não tem como chegar atrasado - completou, brincando.

Bangu e Portuguesa medem forças pela rodada de abertura do Campeonato Carioca neste domingo (29), às 16h30, com transmissão ao vivo da Rádio FutRio.

Tags: Bangu, Portuguesa, Eduardo Allax, Carioca Série A

Outras Notícias

Encontre-nos no Facebook






As informações deste site são constantemente atualizadas pelo FutRio. Ressaltamos que o FutRio reserva-se ao direito de alterar qualquer informação do site, valores e demais informações, sem aviso prévio.

© Copyright FutRio - Todos os direitos reservados.

desenvolvido por