Em 12/10/2017 às 20 h54

Tomazinho e Miguel Couto na expectativa por reencontro após 13 anos

Clubes da Baixada revivem dérbi que vale luta pelo acesso na Série C


Autor: Redação FutRio / Foto: Emerson Pereira (Super Gol)

Não é todo jogo da Quartona que pode ser chamado de "clássico", mas Tomazinho e Miguel Couto têm lá seus motivos para considerarem-se rivais e acharem que o duelo vale bem mais que três pontos. Neste fim de semana, as equipes da Baixada se enfrentarão em um duelo que vale a sobrevivência na luta pelo acesso à Terceirona do Carioca, sobretudo para os tricolores, em um encontro que já não acontece em partidas oficiais há mais de 13 anos.

A última vez que Tomazinho e Miguel Couto se enfrentaram foi em 29 de setembro de 2004, na época pela terceira divisão do Carioca. Na altura, vitória dos iguaçuanos por 2 a 0. Aliás, o Tomazinho nunca conseguiu vencer o seu adversário em partidas oficiais. Desde o primeiro confronto em Estaduais, em 1983, o retrospecto aponta sete triunfos que favorecem o Miguelão, com quatro empates. Uma larga folga para a equipe de Nova Iguaçu.

Talvez o capítulo mais tenso desta rivalidade tenha acontecido logo em seu primeiro ano. Na Terceirona daquela temporada, os clubes brigavam cabeça a cabeça pelas vagas na fase seguinte, que valia lugares na Segundona. Havia até o temor de brigas entre os torcedores, já que o Tomazinho tinha uma das maiores legiões de fãs do campeonato e o jogo seria em território tricolor, no Estádio Joel Pereira. As equipes contavam com nomes destacados e o nível técnico era elevado.

Quando a bola rolou, o jogo decisivo ficou em vitória iguaçuana por 1 a 0, gol de pênalti de Maguinho. O Miguel Couto, comandado por Rubens Forbes, jogou com Sérgio; Helinho, Robertinho, Xexéu e Maguinho; Neto, Roberto (Luquinha) e Guto; Adenis, Tito (Daniel) e Zila. Já o Tomazinho, de Ismael de Freitas, alinhou assim: Sérgio; Eron, Serjão, Paulo César e Beleza; Dejair, Gerson (Paulinho) e Serginho; Foguete, Ronaldo e Dabarra (Luisinho). No fim, o Miguelão passou de fase e o Tomazinho, que começara nas cabeças, foi eliminado.

Agora, a situação é ironicamente inversa. Se o Tomazinho espera para derrotar o Miguel Couto em jogos oficiais – e quebrar um tabu de 34 anos –, esta talvez seja a melhor oportunidade. A equipe está na zona de classificação para o play-off de acesso, em terceiro lugar no Grupo A. Uma vitória, somada a um tropeço do Itaperuna diante do Profute, deixa o Lobo perto da vaga. Já o clube da Rua Gravataí está desesperado e, mesmo em caso de vitória, terá chances remotas de seguir vivo.

O encontro entre as equipes já aconteceu em jogos-treinos e amistosos nos últimos anos, mas um gostinho mais próximo do profissionalismo esteve perto de ser sentido no ano passado. Pelo Torneio Amistoso, Tomazinho e Miguel Couto estavam para se encarar no Estádio Beronhão, mas a bola nem rolou. O Tomazinho perdeu por WO, pela falta de uma ambulância. E o Miguel Couto, novamente, saiu vencedor. O jogo deste domingo (15), no Louzadão, tem tudo para ser mais um capítulo histórico nesta rivalidade da Baixada e pode mudar a realidade recente do dérbi.

Tags: Tomazinho, Miguel Couto

Outras Notícias

Encontre-nos no Facebook






As informações deste site são constantemente atualizadas pelo FutRio. Ressaltamos que o FutRio reserva-se ao direito de alterar qualquer informação do site, valores e demais informações, sem aviso prévio.

© Copyright FutRio - Todos os direitos reservados.

desenvolvido por