Em 31/10/2018 às 10 h11

TJD vai ouvir dirigentes e ex-atletas do Barra Mansa sobre suposta manipulação

Entidade segue colhendo provas antes de decidir se denuncia ou não os envolvidos


Autor: Redação FutRio / Foto: Divulgação (TJD-RJ)

O Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) vai ouvir dirigentes e ex-atletas do Barra Mansa por conta do suposto esquema de manipulação de resultados que teria sido colocado em prática na Série B1 do Campeonato Carioca de 2017. A entidade vai se reunir com oito envolvidos no caso. O procedimento de inquérito acontecerá na próxima terça-feira (6), às 13h, na sede da entidade.

Foram chamados Anderson Martins Florentino (presidente afastado do clube), Lincoln Vinicius da Silveira Aguiar (que ocupou o cargo de gerente de futebol), Luiz Fernando Irala (treinador), além dos atletas Deiverson Brito dos Santos, Diego de Resende Oliveira, Gustavo Ferreira Gabriel, Jorge Antonio Climaco da Silva e Willian Macedo da Costa.

VEJA TAMBÉM:
Dirigentes do Barra Mansa são alvos de investigação sobre vendas de resultados
Presidente do Barra Mansa é afastado; dirigentes se acusam após escândalo
TJD investigará manipulação de jogos envolvendo Barra Mansa em 2017

A coleta de prova oral deverá ser a última etapa da investigação prévia que vem sendo realizada pelo TJD-RJ. O próximo passo será o possível julgamento dos envolvidos na esfera da Justiça Desportiva - vale ressaltar que o caso também vem sendo objeto de investigação da Polícia Civil.

Entenda o caso

Dirigentes do Barra Mansa foram alvos de mandados de busca e apreensão realizados no dia 27 de setembro. A ação realizada pela Delegacia do Consumidor aconteceu nas residências de membros da diretoria do clube, como o presidente Anderson Martins Florentino, conhecido como Andrinho.

A suspeita é de que o grupo negociava resultados da Série B1 do Campeonato Carioca junto a uma máfia internacional, recebendo valores que giravam entre R$ 35 mil e R$ 150 mil por partida.

Outra acusação que paira sobre Andrinho é a retirada do valor de R$ 342 mil da conta do clube. O montante foi destinado para uma conta pessoal do presidente e a transação teria contado com a anuência da tesoureira do Barra Mansa à época, Mônica Rodrigues Rosa, que é namorada do dirigente.

Com o início das investigações, Andrinho foi afastado do cargo de presidente do clube e uma junta provisória assumiu as funções do dirigente. Na atual temporada o Barra Mansa participou da Série B2, que é a Terceira Divisão Estadual. O Leão do Sul ficou com a sétima colocação geral, sem conseguir o acesso.

Tags: Barra Mansa

Outras Notícias

Encontre-nos no Facebook






As informações deste site são constantemente atualizadas pelo FutRio. Ressaltamos que o FutRio reserva-se ao direito de alterar qualquer informação do site, valores e demais informações, sem aviso prévio.

© Copyright FutRio - Todos os direitos reservados.

desenvolvido por