Toninho agradece sondagem do Goyta, mas segue no Voltaço

Toninho Andrade, do Volta Redonda (Matheus Lima)

Toninho irá permanecer no Volta Redonda (Matheus Lima)

Treinador garantiu ser fiel a convicções e cumprirá contrato na Cidade do Aço

Anderson Luiz
Postado às 13:40 de 24/02/2014
Carioca Séries A e B

Ainda segue sem definição o nome do novo técnico do Goytacaz. Após a saída de Lucho Nizzo, a direção do clube de Campos vem trabalhando para anunciar o nome do novo treinador. Um dos nomes que a direção campista sondou foi Toninho Andrade, hoje comandante do Volta Redonda. Lisonjeado, Toninho agradeceu o que não chegou a ser uma proposta, mas sim, uma sondagem, que segundo fontes, foi tentadora.

- Não chegou a ser uma proposta, foi uma sondagem. Se eu teria condição de sair do Volta Redonda. Isso chegou até mim, mas não discutimos salários, nem nada. Eu achava difícil devido à situação do Volta Redonda, de dificuldade, não sou cara de largar o barco. Talvez em outro momento, assegurado, seria outra realidade. Mas se largasse o Volta Redonda, poderia passar como covardia e nunca corri de nenhuma situação. Não sei se, amanhã ou depois, o Volta Redonda tem todo direito de fazer uma dispensa e contratar outro treinador. Mas eu pedir pra sair agora e assumir outro clube, não faria eu me sentir bem – comentou.

Em relação a valores, Toninho voltou a afirmar que não houve conversa sobre o lado financeiro, mas garantiu que seria uma honra trabalhar em Campos, e por se tratar de um clube que está organizado:

- A grande realidade é que seria uma honra trabalhar lá. Sei que é um clube organizado, que está cumprindo com todos os seus compromissos. Seria profissionalmente uma coisa muito boa, pelo desafio e por tudo, só que é uma questão minha de filosofia, de um pensamento de não correr da minha atual situação.

As conversas ficaram bem adiantadas, mas não confirmadas. A proposta, ou sondagem, seria para que Toninho levasse toda sua comissão técnica:

- Seria para eu levar a minha comissão técnica, até porque no Volta Redonda eu não tive a condição da trazer as pessoas que eu gostaria. E preciso arrumar um outro espaço para empregar quem é fiel a mim, principalmente na Cabofriense. Seria uma coisa de uma comissão, um auxiliar técnico, preparador físico e provavelmente preparador de goleiros também, uma coisa bem abrangente.

Em cima de sua fidelidade, Toninho lembrou que já havia recebido uma proposta do Goytacaz na época em que estava na Cabofriense. Segundo Toninho, o carinho com o Tricolor da Região dos Lagos não foi a mesma do clube com ele.

- O Goytacaz já havia feito uma proposta na época da Cabofriense, e eles me confirmaram como técnico num domingo. Na segunda-feira, a direção do Goyta me ligou e eu confirmei que ficaria em Cabo Frio, tendo sido demitido na quarta-feira pela diretoria da Cabofriense. Fiz o que achava que devia, fui fiel ao que devia ser. Se os outros não foram, não posso fazer nada. Fiquei desempregado quase três meses, podia ter começado um trabalho no Goytacaz, estar até hoje lá. Paciência, vamos de novo e torcer para que o novo técnico escolhido pelo Goyta tenha sorte do mundo, é um clube que merece o acesso, e torcer para que tudo dê certo – encerrou.